sábado, 23 de maio de 2015

Karnak - Egipto

Os sacerdotes atravessavam as grandes portas do templo, os pilonos, com a imagem do deus atrás de si, momento que os cidadãos, vindos de todo o país, aproveitavam para fazer os seus pedidos sob o sol ardente, junto ao azul do Nilo.


Karnak é um antigo recinto de templos egípcios localizado na margem leste do rio Nilo, em Tebas (hoje Luxor). Abrange mais de 100 hectares, uma área maior do que algumas cidades antigas.

O sector central do local, que ocupa a maior quantidade de espaço, é dedicado a Amon-Ra, um deus  masculino associado a Tebas. A área ao redor do seu principal santuário era conhecida na antiguidade como "Ipet-Sun", que significa "o mais selecto dos lugares".

Ao sul da área central fica um pequeno recinto dedicado a sua esposa, a deusa Mut. No norte, há um outro recinto dedicado a Montu, o deus da guerra com cabeça de falcão. Além disso, para o leste, existe uma área - em grande parte destruído intencionalmente na antiguidade - dedicado a Aton, o disco solar.

A construção em Karnak começou há 4.000 anos atrás, e continuou até ao momento em que os romanos tomaram o controle do Egipto, há cerca de 2.000 anos atrás. Cada governante egípcio que trabalhou em Karnak deixou a sua marca própria de arquitectura. O projecto Digital Karnak da UCLA reconstruiu e modelou essas mudanças online. 

O seu modelo mostra um desconcertante conjunto de templos, capelas, entre muitos outros edifícios, que foram gradualmente construídos, demolidos e modificados ao longo de mais de 2.000 anos. Karnak teria provocado uma grande impressão nos visitantes antigos, para dizer o mínimo. "Os pilares e paredes do grande recinto foram pintados de branco com os relevos e inscrições em brilhantes cores semelhantes a jóias.

Os primeiros indícios certos de construção de Karnak apontam para o reinado de Wah-Ankh Intef II, um governante egípcio que viveu há mais de 4.000 anos atrás. A equipa da UCLA começa o seu modelo digital no reinado do rei Senwosret I (reinado 1971-1926 AC) e mostra um templo de pedra calcária, com um corte no meio, dedicado a Amon-Ra. Ele contém 12 pilares em frente as bases de que "foram adornados com estátuas do rei engajados na pose de Osíris [deus do submundo]", escreve a equipa. Esta reconstrução é um pouco hipotética já que tão pouco do templo permaneceu até hoje.

Karnak continuaria a ser um recinto modesto até ao Reino Novo, um período de tempo que decorreu entre aproximadamente 1550-1070 AC, quando o trabalho foi acelerado com muitos dos maiores edifícios a ser construídos. A partir do Novo Reino, e continuando durante os séculos seguintes, os governantes egípcios gradualmente criaram uma série de 10 "pilares" em Karnak. Essas torres foram ligadas umas ás outras através de uma rede de paredes. Eles eram frequentemente decorados com cenas que descreviam o governante que os construiu e muitos deles também tinham bandeiras coloridas.

Em Karnak os pilares começam perto do santuário principal e vão em duas direções. Um conjunto de seis torres enfrentam o oeste em direção ao rio Nilo e terminam numa entrada ladeada por uma avenida de esfinges pequenas. Outro conjunto de quatro torres de frente para o sul ao longo de uma rota da procissão usado para cerimónias.

De acordo com o projecto Digital da UCLA, o Salão Wadjet (cujo nome vem do estilo de colunas usadas) foi construído por Tutmés I (reinado 1504-1492 AC), perto do santuário principal, entre os postes de quarta e quinta. Ele mede cerca de 246 pés por 46 pés (75 metros por 14 metros) e foi usado para a coroação do rei e festival de jubileu (Heb-sed).

O festival heb sed tinha lugar 30 anos após um rei subir ao trono e repetia-se a cada três anos seguintes. "Durante o festival, o rei corria em torno de um tribunal heb-sed realizando proezas de força para demonstrar a sua capacidade para continuar a governar o Egito", escreve o pesquisador Pat Remler no seu livro "A mitologia egípcia, de A a Z" (Chelsea House, 2010).

Hatshepsut foi uma mulher faraó do Egito, que reinou entre cerca 1479-1458 AC. Em Karnak ela renovou o principal santuário, criando no seu lugar um "Palácio de Ma'at." Ela também criou uma capela feita de quartzito vermelho para segurar a casca portátil do deus (barco).

Quando o sucessor de Hatshepsut, Tutmés III, subiu ao trono, ele ordenou a destruição de imagens da mulher faraó e destruiu a sua capela de quartzito, substituindo-a por uma de sua autoria. O seu legado em Karnak não era destrutivo como ele ordenou a construção do Ahkmenu, uma estrutura de pilares construídos no lado leste do santuário central. Ele contém uma lista de reis egípcios que datam de antes das Grandes Pirâmides serem construídas.

Talvez o edifício mais fantástica em Karnak seja o "Grande Hall Hypostyle" construído apenas para o oeste do santuário principal. Construído por Seti (ou Sety) I, um rei que governou de 1290-1279 AC, abrange uma área grande o suficiente para acomodar toda a Notre Dame de Paris. O prédio é de cerca de 337 pés (103 metros) por 170 pés (52 metros). Os pesquisadores observam que há 134 colunas no total, tendo as 12 maiores 70 pés (21 metros) de altura e apoiam a parte central da estrutura. As outras 122 colunas têm cerca de 40 pés (12 metros) de altura. Pouco depois de ter sido construído, o salão tornou-se o provável cenário para cerimónias de coroação e heb-sed, substituindo o salão Wadjet nesta função.


Khonsu era o filho de Amon-Ra e da deusa Mut. Um templo dedicado a ele em Karnak foi construído, de forma adequada, colocada entre o principal santuário de Amon-Ra e o local de honra a Mut. Construído por Ramsés III, um rei que reinou 1186-1155 AC, o templo tem cerca de 230 pés (70 metros) por 88 pés (27 metros). As colunas medem cerca de 23 pés (7 metros) de altura. 

A construção continuou em Karnak periodicamente após o fim do Império Novo. O Rei Taharqa, que reinou há cerca de 2.700 anos atrás, fez parte de uma dinastia de governantes da Núbia (actual Sudão), que passou a controlar grande parte do Egipto. Ele estava interessado em Karnak "lago sagrado" e construiu o "edifício do lago" ao lado, um monumento em parte subterrâneo.

O último grande programa de construção em Karnak foi realizado por Nectanebo I, um rei da 30ª dinastia final do antigo Egito. Ele reinou entre 380 e 362 AC. Depois da sua dinastia terminar, o Egipto seria governado por pessoas descendentes da Pérsia, Grécia e Roma. Nectanebo construiu um muro grande que cercou o local, juntamente com um templo adicional. Ele também começou a construção de um pilar novo em Karnak na entrada ocidental (embora ele não tenha sido capaz de  o terminar).

Os governantes de origem estrangeira que assumiram o controle do Egipto continuaram o trabalho em Karnak em algum grau. Ptolomeu IV (reinou entre 221-205 AC) criaria uma série de catacumbas rituais dedicadas a Osíris, deus do submundo. Após o Egipto cair sob o controle de Roma, em 30 AC, o trabalho em Karnak esgotou-se e o grande monumento tornou-se o magnífico local arqueológico que hoje conhecemos.

sexta-feira, 22 de maio de 2015

terça-feira, 12 de maio de 2015

Cruz da Santíssima Trindade

A história do desenho da Cruz da Santíssima Trindade é ainda muito recente.
Remonta ao ano de 1989, próximo do inicio do novo milénio, quando se encerrou o Grande Jubileu e se celebrou os dois mil anos do nascimento de Jesus, tendo sido o seu desenho aprovado pelo Papa João Paulo II. Esta é portanto, uma cruz com uma conotação muito importante para o catolicismo.
Os quatro braços da cruz perfazem um grande circulo, sugerindo a ideia de quatro ramificações semelhantes que unidas completam uma esfera. Tal como a sua aparência de acabamento harmonioso, esta cruz simboliza a suprema perfeição.

Mais uma vez a forma geométrica do círculo está presente, desta vez no centro da cruz como representação de Cristo, a figura suprema da religião cristã, que está intimamente ligada a Deus, invocando a sua revelação e a sua encarnação, na sua única pessoa, da natureza divina na natureza humana. Cristo no centro a unir os quatro braços iguais simboliza, assim, a incompreensão do mistério pela razão. É o mistério da fé.

Em cada ramificação encontram-se dois desenhos. O significado da que surge em primeiro refere-se à Santíssima Trindade, que na religião cristã é a designação de Deus em três pessoas – Pai, Filho e Espírito Santo – distintas, iguais e consubstanciais numa só e de indivisível natureza. Por sua vez, o símbolo que está no extremo do braço da cruz é a natureza humana e divina de Cristo, portanto, a segunda pessoa da Santíssima Trindade.

A interpretação desta cruz tem de ser feita à luz do signo da Santíssima Trindade: por Cristo – do Espírito Santo – a Deus Pai. O mistério da Trindade é, assim, origem do caminho da fé.


sexta-feira, 8 de maio de 2015

Cristo das Trincheiras

A Entronização do Cristo das Trincheiras no dia 9 de Abril de 1958 - Batalha

No sector português da Flandres, que ficava entre as localidades de Lacouture e Neuve-Chapelle, encontrava-se um artístico cruzeiro que dominava a paisagem da planície envolvente. Durante os meses de campanha esse Cristo pregado no seu madeiro ali esteve à chuva e ao vento, a atrair os olhares dos soldados portugueses. No dia 9 de Abril de 1918, sobre aquela planície caiu uma tempestade de fogo de artilharia, durante horas a fio, que a metralhou, a incendiou e a revolveu. Era a ofensiva da Primavera de 1918 do exército alemão. A povoação de Neuve-Chapelle quase desapareceu do mapa, de tão transformada em escombros. A área ficou juncada de cadáveres e entre estes jaziam 7.500 portugueses da 2ª Divisão do CEP mortos ou agonizantes. No final da luta apenas o Cristo se mantinha de pé, mas também mutilado. A batalha decepou-lhe as pernas, o braço direito e uma bala varou-lhe o peito.

Este Cristo ficou no seu cruzeiro durante quarenta anos erguido no mesmo local, até que em 1958 o Governo Português mostrou o desejo possuir aquele Cristo mutilado ao Governo Francês. Tornara-se um símbolo da Fé e do Patriotismo nacional e passou a ser conhecido como o "Cristo das Trincheiras". 

A imagem chegou a Lisboa de avião, a 4 de Abril de 1958, uma Sexta-feira Santa. Ficou em exposição e veneração na capela do edifício da Escola do Exército até 8 de Abril, quando foi conduzida para o Mosteiro da Batalha e colocada, a 9 de Abril à cabeceira do túmulo do Soldado Desconhecido, na sala do Capítulo.

A imagem foi acompanhada desde França por uma delegação de portugueses antigo combatentes da Grande Guerra, que residiam em França, e por uma delegação de deputados franceses, chefiada pelo Coronel Louis Christians. As cerimónias foram apoteóticas e milhares de portugueses desfilaram perante a imagem em Lisboa.

No dia 8 de Abril a imagem foi transportada num carro militar para a Batalha, sem qualquer cerimonial especial, e aí ficou exposta na sala do refeitório do mosteiro para no dia seguinte, 9 de Abril, se efectuar a entrega oficial.  No dia 9 de Abril, pelas 11 horas, começaram a concentrar-se junto ao Mosteiro da Batalha numerosas entidades civis e militares, entre elas os Embaixadores de Portugal em França e de França em Portugal, os Adidos Militares da França, da Bélgica e dos Estados Unidos, as altas patentes portuguesas do Exército, Marinha e da Força Aérea. Ao meio-dia iniciou-se as cerimónias com a chegada do Coronel Louis Christian (França) e o Ministro da Defesa de Portugal Coronel Santos Costa. A guarda de honra foi prestado por um Batalhão do Regimento de Infantaria N.º 7, Leiria. O andor que transportou o "Cristo das Trincheiras" entre a sala do refeitório e a sala do Capítulo esteve ao cuidado de representantes da Liga dos Combatentes da Grande Guerra.

O "Cristo das Trincheiras" foi então deposto sobre um pequeno plinto adamascado à cabeceira do túmulo do "Soldado Desconhecido". Terminada as orações o Adido Militar Francês, Coronel Revault d'Allonnes, conferiu aos dois "Soldados Desconhecidos" duas Cruzes de Guerra, as quais foram depositadas sobre a campa rasa.

A fanfarra do Regimento de Infantaria n.º 19, Chaves, tocou a silêncio no final da cerimónia, enquanto uma Bateria de Artilharia do Regimento de Artilharia Ligeira de Leiria, salvava com 19 tiros.


Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...