terça-feira, 7 de março de 2017

Monges Cartuchos

Há uma lenda que diz que OS MONGES CARTUCHOS CAVAM A SUA PRÓPRIA SEPULTURA, dia após dia, para que esteja pronta no dia em que eles morrerem. 

E conta-se também que quando dois cartuchos se cruzam no claustro, um diz: “Morrer havemos", e o outro responde: “Já o sabemos”. Mas é apenas uma lenda.

Enquanto muitos religiosos dos nossos tempos procuram a fama e os holofotes, os cartuchos procuram o "deserto", e ali vivem para sempre, desconhecidos e escondidos. Morrem repetindo o latim medieval: “da cella ad cœlum”, da cela ao Céu.

O corpo do monge falecido é enterrado com o hábito branco, sem caixão. E como recebe a “pedrinha branca” do Apocalipse com o seu nome, na sepultura ele não terá nome.

Os seus irmãos realizam um funeral sóbrio, mas muito sentido. Os cantos litúrgicos acompanham o cair da terra sobre um rosto protegido pelo capuz fechado, para que a sua face só veja a Face de Deus.









Sem comentários:

Publicar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...